Cosmética natural

Cosmética natural – porque aderir a essa alternativa?

Você já parou para avaliar quantos cosméticos usa? Pasta de dente, shampoo, condicionador, sabonete, creme de pentear, finalizador, gel, sabonete, hidratante, esfoliante, desodorante, creme para o rosto, protetor solar. Se você tem o hábito de se maquiar a lista ainda aumenta! Batom, base, blush, sombra, rímel, lápis de olho. E quantos desses são usados também pelos nossos filhos? Além de óleo mineral, pomada para assadura, lenço umedecido. Uma infinidade de produtos.

Mas nós sabemos o que estamos colocando em nosso corpo? Sabemos com quantas substâncias temos contato ao longo de um dia? Elas penetram na pele? Fazem algum mal?

Esse assunto é muito vasto. Vou apontar aqui resumidamente algumas questões importantes.

 

Quais são os malefícios do uso de cosméticos industrializados?

Existem diversos componentes químicos que trazem malefícios à nossa saúde, principalmente com o uso diário, em longo prazo, sobre peles sensíveis, com alguma doença ou após a depilação. Parabenos, sulfatos, triclosan, alumínio, chumbo e outros metais pesados, formol, fragrâncias sintéticas, corantes artificiais, entre tantos outros. Tratam-se daquelas pequenas letras que descrevem os ingredientes dos produtos, nomes nada familiares e até difíceis de dizer.

Escondido atrás dessas letras pequenas está o parfum, em quase todos os cosméticos. São essências sintéticas das quais os fabricantes não são obrigados a informar do que são compostas. Então esse nome esconde uma mistura química de compostos, dentre eles os ftalatos, que já foram banidos da União Européia pelo alto potencial cancerígeno.

Os parabenos estão em aproximadamente 75% dos cosméticos, porque são utilizados como conservantes e tem baixo custo para a indústria. São uma classe de compostos: os mais comuns são o metilparabeno, o propilparabeno, o etilparabeno e o butilparabeno. Pesquisas apontam relações dos parabenos com câncer e problemas de fertilidade. Isso se daria por uma ação bloqueadora dos receptores de estrogênio, contribuindo para o crescimento anormal de células. Dessa mesma forma age no nosso organismo o alumínio presente nos desodorantes.

Além dos malefícios das substâncias que entram em contato com a pele, os desodorantes em spray ainda nos fazem mal pela química que inalamos no momento da aplicação. Então vale fugir dos sprays e optar pelas formas líquidas ou pastosas. Outras embalagens de plástico ou metal também influenciam nos produtos, que absorvem seus componentes.

Existe uma vasta lista de ingredientes nocivos, que podem ocasionar alergias severas na pele e olhos, alergias e outros problemas respiratórios como a asma, causar ou influenciar a formação de câncer, assim como acelerar o crescimento de tumores já existentes, danos à tireóide e desregular os hormônios, afetar o funcionamento do sistema reprodutor e a fertilidade, prejudicar o sistema imunológico e assim abrir portas para inúmeras doenças. Você pode conferir uma lista bem completa aqui.

Você pode saber mais sobre isso no e-book Beleza Tóxica, escrito pela Nyle Ferrari, do blog Lookaholic.

 

Não coloque na sua pele o que você não poderia comer

Pode parecer exagerado que não coloquemos na pele substâncias que não podemos comer. Mas o fato é que a pele é o maior órgão do nosso corpo, a barreira de proteção entre o nosso corpo e o ambiente externo, órgão sensorial e bastante ligado às emoções. Muitos dos componentes que colocamos são pequenos o suficiente para penetrar na nossa pele e chegar à corrente sanguínea. Além dos ingredientes que a nossa pele absorve diretamente, de produtos específicos para a pele como os hidratantes, outros produtos, como shampoo e condicionador, também tem componentes que podem penetrar no nosso corpo através dos poros do couro cabeludo e também passando por toda a nossa pele durante o enxágue.

Outro ponto importante a falar sobre a pele e cabelo é o ciclo que comumente acontece de limpeza excessiva e necessidade de reparar essa limpeza excessiva. Isso acontece com o sabonete e com o shampoo. O sabonete limpa excessivamente a pele, retira sua oleosidade natural, que ajudaria a nutri-la e reter a hidratação, e depois precisamos de um creme hidratante para reparar isso. A mesma coisa com o shampoo, que depois precisamos reparar o cabelo com condicionador. Um ciclo que faz com que precisemos de mais produtos, seguindo a lógica do consumo da indústria.

 

A indústria dos cosméticos

As pesquisas em relação a esses malefícios ainda não são muito conclusivas. Até mesmo porque quem mais financia pesquisas sobre cosméticos são as indústrias. Elas não tem interesse de incentivar pesquisas que poderão apontar que seus insumos e processos de produção prejudicam seus consumidores. Elas não tem interesse em descobrir que precisarão encontrar outras substâncias para substituir essas tão baratas e eficientes que já usam.

Não são exigidos muitos testes de segurança em relação aos ingredientes que a indústria usa. Nem em relação ao que a indústria alimentícia, muito menos em relação à indústria cosmética. Não existe regulação específica sequer para que um produto tenha “natural” em sua embalagem e publicidade. Temos que ser detetives dos rótulos para saber o que estamos consumindo.

São órgãos como a FDA (nos Estados Unidos) e a Anvisa (no Brasil) que regulam e dizem se determinado produto é seguro. É discurso das indústrias que os componentes tóxicos são usados em pequenas quantidades, e que isso é seguro. Então temos fontes divergentes de informações. A indústria e seus órgãos reguladores dizem que são seguros, e pesquisas apontam relação entre alguns componentes como tóxicos e cancerígenos. Mas será mesmo seguro usar essas pequenas quantidades por vários anos? E juntar a pequena quantidade de substância tóxica de um produto, com a pequena quantidade de outro, e mais de outro… não temos então uma grande quantidade de produtos nocivos juntando os 10 cosméticos que usamos diariamente? Em quem você confia?

As substâncias presentes nos cosméticos e os processos de fabricação e transporte são também altamente poluentes para o ar, rios e mares. Prejudicam a saúde dos trabalhadores das indústrias e as comunidades no entorno das fábricas. E ainda podem retornar ao nosso organismo pelo consumo de peixes que as ingeriram nos oceanos.

Você pode ver mais sobre isso no vídeo A História dos Cosméticos, aqui com legendas em português e aqui o site original em inglês.

 

Cosmética natural para mulheres

As mulheres usam muito mais cosméticos que os homens. E muitos dos componentes tóxicos dos cosméticos são disruptores endócrinos – substâncias que interferem na produção e secreção dos hormônios pelas glândulas do sistema endócrino e sua distribuição pela corrente sanguínea. Então vemos muitas mulheres que tratam seus problemas hormonais com pílulas anticoncepcionais e outros remédios alopáticos. Chegam até a retirar a sua tireóide, passando a depender de hormônios sintéticos por toda a vida, estando expostas aos efeitos colaterais desse uso. Mas sabem muito pouco sobre que hábitos de sua rotina contribuem para esse desequilíbrio. O uso de cosméticos, na maioria das vezes excessivo, pode causar ou contribuir para o desequilíbrio hormonal, por conterem substâncias que atuam como disruptores endócrinos.

Então se você tem problemas endócrinos vale verificar que cosméticos tem usado, a quanto tempo, com que constância. Uma mudança para cosméticos naturais pode auxiliar seu tratamento.

 

Cosmética natural na gestação

As mulheres grávidas sempre se preocupam muito com a saúde durante a gestação. Cercam-se de cuidados com alimentação, exercícios físicos, cuidados médicos. Mas nada se fala sobre o uso de cosméticos durante a gestação. Talvez se fale um pouco sobre tintas e outros tratamentos para cabelo, por conterem formol. Mas e os outros cosméticos?

Por exemplo, as etolanaminas, encontradas em tinta para cabelo, base, perfumes, protetor solar e outros, podem causar inibição do desenvolvimento do cérebro fetal. Os já citados ftalatos, e também o tolueno encontrado em esmaltes de unha, podem causar má formações no feto. Vale ficar mais atento ao que as grávidas estão usando, né? Principalmente as que usam cosméticos em excesso, ou trabalham em locais de manipulação de cosméticos, tanto as fábricas como os salões de beleza.

 

Cosmética natural para bebês e crianças

Na Europa os parabenos já foram proibidos em produtos para crianças menores de 3 anos de idade. Lá ainda existem outras restrições em relação às substâncias que compõem as fraldas descartáveis, porque ficam em contato com a pele do bebê, que já é sensível, e em oclusão, o que pode aumentar a penetração das substâncias na pele e aumentar as chances de alergias e outras reações.

E os produtos baby, kids e outros direcionados ao público infantil não estão livres dos produtos tóxicos que foram citados aqui. Óleo mineral, parfum, parabenos, e outros… estão nas fraldas, nos lenços umedecidos, shampoo, cremes e pomadas. Então se nos preocupamos com ingredientes que não são legais na nossa pele, preocupação ainda maior com o que vai na pele dos nossos bebês e crianças, que tem a pele e o sistema imunológico ainda mais sensível. Além disso, os efeitos do uso em longo prazo pensando no que começa a ser usado desde bebê é ainda maior.

Em um futuro post falarei sobre as fraldas de pano, que usamos aqui em casa e super recomendo, e sobre como limpar o bumbum nas trocas de fralda de forma natural.

 

Mas e os benefícios da cosmética natural?

Bom… antes de mais nada, aderindo à cosmética natural você estará livre de todos esses ingredientes químicos nocivos! Menos riscos de alergia, sem riscos de depositar no seu corpo substâncias bioacumuláveis e interferir no funcionamento normal do seu corpo. E o mais importante: sem aumentar seu risco de desenvolver um câncer. Isso é bem importante!

Os resultados dos cosméticos naturais são notáveis. Em muitos casos pode, inclusive, superar os resultados de cosméticos convencionais e medicamentos alopáticos. Os extratos, manteigas, óleos vegetais e óleos essenciais falam “a mesma língua” do nosso corpo. Possuem ácidos graxos, vitaminas e inúmeros princípios ativos que tratam questões de estética e de saúde da pele, couro cabeludo e cabelo. E a grande maioria desses resultados tem comprovação científica ou pelo uso popular tradicional.

Os cosméticos naturais também são multifuncionais. Tem sabonete líquido que também serve de shampoo. Hidratante para o corpo que também pode ser usado como condicionador no cabelo. Pomadas que servem para diversos fins. Produtos que tratam beleza, saúde da pele e questões emocionais ao mesmo tempo. Descobrimos que precisamos de muito menos, menos tipos de produtos, além disso muito produtos rendem mais. É incrível!

Existe também o lado ecológico. Muitos dessas substâncias que são nocivas para nós, também são nocivas para a natureza. E são despejadas nela não só depois do nosso consumo, como também pelos processos industriais – chegam na terra, nos rios, nos mares, nos animais marinhos. As substâncias usadas na cosmética natural são totalmente vindas da natureza e não agridem nem à você e nem ao meio ambiente.

Os cosméticos naturais também são, em sua grande maioria, veganos. O único ingrediente de origem animal que pode ser usado é a cera de abelha, mas ela pode ser substituída pela cera de carnaúba, por exemplo. Ou seja, nada de sofrimento animal, nem nos insumos e nem em testes!

Além disso, consumindo de marcas pequenas você incentiva o trabalho de artesãos, em sua grande maioria mulheres, muita delas mães, contribuindo para uma economia solidária que faz girar valor, trabalho e renda para pessoas que precisam muito mais que as grande indústrias, e contribuem muito mais para que nosso mundo seja melhor. E também a matéria prima que é utilizada provem de comunidades extrativistas que são beneficiadas.

É muito mais do que estética, não é?

 

Concluindo…

Os relatos que quem trocou os produtos industrializados cheio de químicas nocivas por alternativas naturais são sempre positivos. Podemos passar por um período de adaptação, que é difícil mas é normal. Afinal quando escolhemos um produto industrializado também precisamos testar diversas opções para saber qual se adequa melhor ao nosso tipo de pele e cabelo. Com os cosméticos naturais passamos pelo mesmo processo, além do período que o nosso organismo precisa para de desintoxicar das substâncias sintéticas.

É por isso também que não existe unanimidade nos cosméticos naturais. Encontramos pessoas dizendo que amam um produto, e outras que dizem que o mesmo não funciona. Pessoas que se deram bem trocando o desodorante industrializado por leite de magnésia, e outras dizendo que para elas não funcionou. Porque somo assim mesmo, né? Cada um de um jeito, com seus gostos e hábitos bastante individuais.

Mas vamos nos perguntar: precisamos mesmo de tantos cosméticos assim? Vale a pena, sabendo de todo esse panorama, buscar opções mais naturais e produtos que sejam multiuso?

 

 

Mari Moraes
Meu nome é Mariane Moraes, mas pode me chamar só de Mari. Tenho 37 anos e sou mãe da Serena. A algum tempo busco opções naturais para uma vida com mais saúde e bem estar, e quero compartilhar aqui com vocês algumas coisas legais que descobri nesse caminho. Tenho cursos e formações em aromaterapia, terapia floral, cosmética natural, ginecologia natural, doula, educadora perinatal. Também sou aprendiz de Theta Healing, estudo o sagrado feminino e a ginecologia natural. Fui produtora e gestora cultural por 12 anos. Sou pesquisadora e brincante das culturas populares tradicionais brasileiras. Feminista, sensível aos direitos humanos e das minorias. Contra qualquer discriminação ou discurso de ódio. A favor do acolhimento e da sororidade. Sempre buscando vibrar positividade e gratidão. Co-criadora e responsável pelos meus caminhos. Sou carioca, passei a minha infância em Miracema - interior do Estado do Rio, e hoje Moro em Macaé – RJ. Seja bem vind@!