O meu caminho de volta

caminho de volta

Você conhece esse termo “o caminho de volta”? Tem um texto bacana e curtinho que fala sobre isso, vê só aqui.

Até 2012 eu estava indo. Empreendedora, autônoma, fazia de um tudo trabalhando na área de gestão cultural. Escrevia projetos, captava recursos, já trabalhei com patrocínio de diversas empresas, leis de incentivo federais e estaduais, editais municipais. Atuei com gestão de pequenos negócios criativos, dei cursos e consultorias. Também trabalhei com festas na noite, por muito tempo trabalhava todos os sábados, até o dia clarear. Então era a gestão cultural com os projetos durante a semana, e ainda nas festas aos fins de semana. Checava emails de manhã antes mesmo de tomar café, virava noites em épocas de editais. Fiz a graduação em Produção Cultural pela UFF e demorei vários anos pra me formar, pois já trabalhava desde o segundo período da faculdade e não tinha quase nenhum tempo pra concluir as últimas disciplinas pendentes.

E eu queria “chegar lá”! Ter muitos projetos, vários patrocínios, realizar muitas coisas, interagir com muitas pessoas, ser reconhecida, poder dizer “sim, fui eu que fiz”. Até que chegou um dia que comecei a achar que estava ficando louca de tanto trabalhar, cansada, sem energia, sobrecarregada. E pra que? Eu não tinha tempo pra nada, não tinha qualidade de vida, o dinheiro que eu ganhava era gasto pra me compensar por estar tão cansada e sem tempo. Vi que pegava mil trabalhos por ego, por não querer dizer não, por querer acumular dinheiro, porque querer mostrar (pra quem mesmo?) que eu conseguia fazer, e muito bem feito, mil coisas ao mesmo tempo.

 

Ôoooo Bahia

Até que as coisas começaram a não ficar tão bem feitas assim, comecei a me sentir exausta, vi que muitas coisas eu aceitava para agradar aos outros, para atender, para ajudar, para estar cercada de pessoas. Mas isso acabava passando por cima do meu limite, por cima de mim mesma. E aos poucos… ufa! Consegui me livrar, me redescobrir, me reinventar. Neguei trabalhos, buscava tempo pra mim, pra fazer coisas que eu gostava, pra descobrir o que essa Mari em pleno retorno de Saturno estava querendo. Até que viajei pra visitar um amigo em Lençóis, na Chapada Diamantina, interiorzão da Bahia, cheio de cachoeiras e cenários inacreditavelmente lindos.
[valeu, Thiago! Sou sua fã! Aliás, quem quiser conhecer a Chapada com um guia super bacana, esse é O cara! É só me pedir o contato]

Fui nessa visita passar uma semana, me apaixonei por aquela possibilidade de uma vida leve, calma, pacata, cheia de verde e banhos de rio. E ainda por cima com um custo super baixo se comparado com o que eu bancava morando no Rio. No retorno ao Rio neguei um trabalho que seria grande e importante, e saí rumo à Chapada Diamantina, com um caminho percorrendo várias cidades. Um amigo se juntou a mim e passamos por Itaúnas (e aproveitamos o festival de forró), Caraíva, Trancoso, Arraial D’Ajuda, Itacaré e Salvador. [valeu Amaro, a gente briga mas se ama, né? rsrs]

Cheguei lá planejando passar 4 meses, e… lá se foram quase 3 anos na Bahia. Foi um período de muita conexão, de resgate, de entender quem eu era. Foram mil tardes tomando banho de rio, nas cachoeiras, nas trilhas, vendo a lua, deitada nas pedras, torrando no sol (adoro!). Me limpando, energizando, ressignificando tudo, e com muito tempo pra ler, estudar, ver vídeos… foi incrível!
[Um beijo grande pros amigos queridos dessa fase, pelos muitos papos e banhos de rio – Indira, Uaxeda – pra sempre no meu coração, Suelen, Renata, Thiago, Lais, Jerusa, Gaúcho. Saudades daquelas tardes ensolaradas e noites estreladas <3]

Nesse período me dediquei ao estudo de diversos temas sobre os quais sempre quis aprender. Como já contei, fiz alguns cursos: formação de doula, saboaria natural, terapia floral e introdução à aromaterapia. E também estudei bastante sobre alimentação e hábitos de vida que nos trazem mudanças positivas. Depois quero contar várias coisas para vocês sobre isso, li muito sobre várias coisas, e quero muito compartilhar.

 

Tempo é vida!

Bom, isso tudo só pra falar que eu abri mão de ir e comecei a voltar, pro simples, pro menos é mais. Pro mais perto da roça e mais longe da violência da cidade grande. Pra descascar mais e desembrulhar menos, prevenir mais e medicar menos. Pra menos telas brilhantes e mais olho no olho, pra cuidar de si, pra olhar pra dentro. Pro verde, pro mato, pro pé no chão, pra olhar a lua, pro tempo de tomar um café com calma.

E a aromaterapia tem tudo haver com isso, a cosmética natural também, e a maternidade também. O uso dos óleos essenciais e de cosméticos livres de produtos químicos nocivos me permite mais qualidade de vida, mais equilíbrio, menos remédios. O caminho de volta me proporciona tempo para cuidar da minha filha, um tempo de qualidade, sem pressa, brincando na terra e na areia, colhendo flores e frutas, passeando com calma, apreciando a natureza. Tempo esse que é muito bom pra ela e pra mim também.

E agora aquele antigo esquema de vida não faz mais sentido. Correr atrás desse reconhecimento que a sociedade nos faz pensar que devemos buscar não se encaixa mais nos meus sonhos e no meu dia a dia. E você, quer começar a pensar no seu caminho de volta? Ele começa dentro do coração <3 Vem com a gente!

 

Mari Moraes
Meu nome é Mariane Moraes, mas pode me chamar só de Mari. Tenho 37 anos e sou mãe da Serena. A algum tempo busco opções naturais para uma vida com mais saúde e bem estar, e quero compartilhar aqui com vocês algumas coisas legais que descobri nesse caminho. Tenho cursos e formações em aromaterapia, terapia floral, cosmética natural, ginecologia natural, doula, educadora perinatal. Também sou aprendiz de Theta Healing, estudo o sagrado feminino e a ginecologia natural. Fui produtora e gestora cultural por 12 anos. Sou pesquisadora e brincante das culturas populares tradicionais brasileiras. Feminista, sensível aos direitos humanos e das minorias. Contra qualquer discriminação ou discurso de ódio. A favor do acolhimento e da sororidade. Sempre buscando vibrar positividade e gratidão. Co-criadora e responsável pelos meus caminhos. Sou carioca, passei a minha infância em Miracema - interior do Estado do Rio, e hoje Moro em Macaé – RJ. Seja bem vind@!